Seguidores

sábado, 12 de junho de 2010

Greve no Tribunal de Justiça de São Paulo


Quem levar um pedaço de pão com manteiga para eles (ocupantes) está me desobedecendo”, palavras do desembargador Viana Santos
DEPOIS DE 48 HORAS
Por deliberação própria, servidores desocupam o Fórum João Mendes

Após sucessivas reuniões, os 74 servidores que se encontravam no interior desde a última quarta-feira, dia 9 de junho, deliberaram por desocupar o prédio. A saída aconteceu por volta das 12h30, sob aplausos, palavras de ordem e emoção parte dos mais de mil servidores que aguardavam, na parte externa do prédio. No decorrer da ocupação, vários foram os servidores que passaram por avaliação e atendimento medico, em razão do enorme desgaste.

CONFRATERNIZAÇÃO E CAFÉ DA MANHÃ – Servidores se abraçaram e muitos deles, sob um clima de muita emoção, não conseguiram conter as lágrimas. Um café da manhã e uma saborosa sopa servida pela ASSETJ em seu restaurante próprio, na rua Conselheiro Furtado, foram servidos àqueles que permaneceram por cerca de 48 horas sem nenhuma refeição.

OBJETIVO DA MOBILIZAÇÃO - A finalidade única e exclusiva da ocupação do Fórum João Mendes foi reabrir as negociações da categoria junto ao Tribunal de Justiça, no tocante a discussão da determinação contida no Comunicado SGRH 56/2010, que determina a colocação de faltas injustificadas aos servidores grevistas, quando o correto é greve, o que certamente deverá culminar em zerar o salário dos servidores.

VISTORIA DO PRÉDIO - Vale ressaltar que, momentos antes da desocupação, mediante solicitação dos servidores, as dependências que foram ocupadas no prédio foram todas vistoriados por juízes assessores e policiais militares, oportunidade em que puderam constatar quando a integridade física do prédio.

ATO PÚBLICO – Após o breve café da manhã, os servidores que estavam no interior do prédio já se posicionam para dar seu testemunho quanto aos fatos ocorridos nos últimos dias, como por exemplo, a determinação da Egrégia Presidência de proibir a entrada de qualquer alimento ou água potável, uma vez que os servidores tiveram que sobreviver com a água existente na pia dos banheiros.

DEPOIMENTOS EMOCIONADOS - O que não faltaram foram depoimentos emocionados dos servidores que estiveram isolados dos seus companheiros de cartório, dos seus familiares e de toda a sociedade.

PROIBIÇÃO DA ENTRADA DE ALIMENTOS
- Em momento algum foi permitido pela administração do TJ/SP, o ingresso de alimentos, uma vez que a Egrégia Presidência, representada por um conjunto de juízes auxiliares, pelas diversas vezes reunida com os servidores que se encontravam no interior do prédio João Mendes, fez questão de frisar a frase: “Quem levar um pedaço de pão com manteiga para eles (ocupantes) está me desobedecendo”, palavras do desembargador Viana Santos, anunciadas em alto e bom som pelo juiz assessor João Batista Rebouças de Carvalho.

PARLAMENTARES PRESENTES - Nas reuniões com os membros da Comissão de Negociação Representativas dos Servidores, se fizeram presentes os parlamentares estaduais Major Olímpio, Jose Cândido, Carlos Giannazi, presidente da Comissão de Direitos Humanos, além da última que contou com a presença do deputado federal Ivan Valente, os quais fizeram ás vezes de intermediadores, sempre em busca de diálogo, a quem desde já a Diretoria da ASSOJURIS externa seus mais sinceros agradecimentos.

SENADOR PRESENTE - Ainda no que diz respeito á presença de parlamentares, no ato de desocupação se fez presente o Senador da República, Eduardo Suplicy, que, num primeiro momento, foi impedido de ingressar no prédio do Fórum João Mendes, sob a argumentação da necessidade de autorização expressa da Presidência do TJ/SP, permissão essa que se concretizou em meio ao ato desocupatório.

IMPRENSA PRESENTE - No decorrer da assembléia realizada depois da desocupação, se fizeram presentes um grande número de profissionais dos mais diversos veículos de comunicação que, aliás, nos últimos dias, divulgaram de forma maciça o nosso movimento. Como não poderia deixar de ser, um enorme número de servidores presentes, tanto do interior, quando da capital paulista, deliberaram pela continuidade do acampamento montado na Praça localizada em frente ao Fórum João Mendes.

SERVIDORES EM VIGÍLIA - Uma outra situação que não pode ser destacada neste momento é a presença maciça dos servidores que se encontravam do lado externo do prédio. Servidores estes que passaram frio e, porque não fizer até mesmo fome, o que seu deu não pela ausência de alimento disponibilizado pelas entidades presentes, mas numa grande parcela das vezes em respeito e solidariedade àqueles companheiros que passavam fome e sede de água potável no interior do prédio ocupado.

VERDADEIROS HERÓIS - No momento da publicação desta matéria, ainda não é possível nominar àqueles que junto com o Presidente da ASSOJURIS, Antônio Carlos Capela Novas, Presidente da ASSOJUBS, Hugo Coviello, vários diretores, delegados, representantes de ambas as entidades e demais servidores militantes da categoria permaneceram no interior do edifício por cerca de 48 horas. Nomes estes que deverão ser elencados, um a um, nos próximos dias, em respeito á unidade do movimento.

VIGÍLIA MANTIDA NA PRAÇA JOÃO MENDES - Quanto á vigília, a mesma será mantida pelos servidores residentes na Capital e Grande São Paulo, os quais lá permanecerão até segunda-feira pela manhã, onde serão rendidos por servidores residentes em Santos, São Vicente, Praia Grande e demais cidades do Litoral Sul, os quais por sua vez serão substituídos pelos servidores de São José do Rio Preto, Catanduva, Mirassol, Monte Aprazível, Jales e demais cidades da região.
Já na quarta-feira, dia 16 de junho, data da próxima Assembléia Geral, deverão assumir a vigília os servidores de Mococa, somados ás Assistentes Sociais e Psicólogas de todo o Estado. No complemento da semana, podemos adiantar que as regiões de Assis, Ourinhos, Xavantes, Cândido Mota, Dracena, Andradina, Araçatuba, dentre inúmeras outras, deverão se “entrincheirarem” em defesa da causa.
Ribeirão Preto, Campinas e todas as demais regiões também terão participação efetiva na manutenção da vigília, cujo calendário deverá ser elaborado nos próximos dias, em face do enorme número de cidades dispostas a participarem de mais este ato reivindicatório.
RIBEIRÃO PRETO 100% - Por mais um dia, nesta sexta-feira, dia 11 de junho, os servidores do Fórum de Ribeirão Preto deliberam pela suspensão total dos trabalhos forenses, o que certamente deverá ocasionar uma nova suspensão dos prazos processuais. Deliberação essa que foi comunicada de imediato no Ato Público de desocupação ocorrido em São Paulo.
DISSÍDIO COLETIVO POR GREVE – Em meio a todos esses atropelos, o Desembargador Hamilton Elliot Akel, designou “mais uma audiência” de tentativa de conciliação no processo do Dissídio Coletivo por greve para o próximo dia 17 de junho, ás 10 horas.

Fonte: http://www.assojuris.com.br/

4 comentários:

  1. Como disse Caetano Veloso:

    Enquanto os homens exercem
    Seus podres poderes
    Morrer e matar de fome
    De raiva e de sede
    São tantas vezes
    Gestos naturais...

    ResponderExcluir
  2. É meu comprade Geraldo.
    A situação nossa,como servidores e como cidadões,está crítica,pois estamos sendo achatados de todos os modos e meios possíveis..
    Aproveito para postar uma música que ultimamente é meu hino:

    Até Quando?


    Gabriel Pensador
    Composição: Gabriel o Pensador; Itaal Shur; Tiago Mocotó

    Não adianta olhar pro céu com muita fé e pouca luta
    Levanta aí que você tem muito protesto pra fazer e muita greve
    Você pode e você deve, pode crer
    Não adianta olhar pro chão, virar a cara pra não ver
    Se liga aí que te botaram numa cruz e só porque Jesus sofreu
    Num quer dizer que você tenha que sofrer

    Até quando você vai ficar usando rédea
    Rindo da própria tragédia?
    Até quando você vai ficar usando rédea
    Pobre, rico ou classe média?
    Até quando você vai levar cascudo mudo?
    Muda, muda essa postura
    Até quando você vai ficando mudo?
    Muda que o medo é um modo de fazer censura

    (Refrão)
    Até quando você vai levando porrada, porrada?
    Até quando vai ficar sem fazer nada?
    Até quando você vai levando porrada, porrada?
    Até quando vai ser saco de pancada?

    (Repete refrão)

    Você tenta ser feliz, não vê que é deprimente
    Seu filho sem escola, seu velho tá sem dente
    Você tenta ser contente, não vê que é revoltante
    Você tá sem emprego e sua filha tá gestante
    Você se faz de surdo, não vê que é absurdo
    Você que é inocente foi preso em flagrante
    É tudo flagrante
    É tudo flagrante

    (Refrão x2)

    A polícia matou o estudante
    Falou que era bandido, chamou de traficante
    A justiça prendeu o pé-rapado
    Soltou o deputado e absolveu os PM's de Vigário

    (Refrão x2)

    A polícia só existe pra manter você na lei
    Lei do silêncio, lei do mais fraco:
    Ou aceita ser um saco de pancada ou vai pro saco

    A programação existe pra manter você na frente
    Na frente da TV, que é pra te entreter
    Que pra você não ver que programado é você

    Acordo num tenho trabalho, procuro trabalho, quero trabalhar
    O cara me pede diploma, num tenho diploma, num pude estudar
    E querem que eu seja educado, que eu ande arrumado que eu saiba falar
    Aquilo que o mundo me pede não é o que o mundo me dá

    Consigo emprego, começo o emprego, me mato de tanto ralar
    Acordo bem cedo, não tenho sossego nem tempo pra raciocinar
    Não peço arrego mas na hora que chego só fico no mesmo lugar
    Brinquedo que o filho me pede num tenho dinheiro pra dar

    Escola, esmola
    Favela, cadeia
    Sem terra, enterra
    Sem renda, se renda. Não, não

    (Refrão x2)

    Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente
    A gente muda o mundo na mudança da mente
    E quando a mente muda a gente anda pra frente
    E quando a gente manda ninguém manda na gente

    Na mudança de atitude não há mal que não se mude nem doença sem cura
    Na mudança de postura a gente fica mais seguro
    Na mudança do presente a gente molda o futuro

    (Refrão)

    ResponderExcluir
  3. QUEM VAI DEFENDER O POVO DESTES FUNCIONARIOS DA JUSTIÇA. IRRESPONSAVEIS, SAFADOS, EGOISTAS, VAGABUNDOS, LENTOS.????????????
    ESTAMOS ORFAOS, NAO TEMOS NINGUEM QUE PRESTE NOS 3 PODERES. NAO VIVI A DITADURA MILITAR, MAS QUERO ELA DE VOLTA. SEMPRE OUVI QUE AQUELA EPOCA A MIDIA NAO SE VENDIA COMO HOJE;
    SONIA SONTON MILTON son-ton@live.com

    ResponderExcluir
  4. Socorro! o povo esta mesmo sem lideres! concordo com a Sonia ai acima, O Judiciario brasileiro tem que ser totalmente modificado e e´urgente CORUPÇAO, VADIAGEM, PREGUIÇA PRA TRABALHAR, ETC. O Povo só leva ferro destes funcionarios DITOS publicos. Marcio Luiz Vidigal marciovidigal33@gmail.com

    ResponderExcluir