Seguidores

domingo, 30 de setembro de 2007

SANGUESSUGAS

A história se repete

A discussão da CPMF está revelando que o menos importante é a opinião do contribuinte. Prefeitos, governadores e, sobretudo, o governo da União se digladiam para dividir entre si as fatias do bolo. Como o bolo é pequeno para a sua gula, nada mais "lógico" do que aumentá-lo -à custa do povo. Assim tem sido nos três níveis de governo.
Os estudiosos do assunto, assim como os parlamentares mais sensíveis, são unânimes em abominar todo e qualquer aumento adicional de carga tributária que, como se sabe, já ultrapassou a casa dos 36% do PIB. E isso vai acontecer se o projeto em tela não for modificado.
Olhando para a história, vemos que o expediente de jogar o piano nas costas dos contribuintes é uma jogada velha. Felipe 2º, no período de 1555 a 1566, usou e abusou dos impostos para financiar as tropas espanholas estacionadas nas 17 províncias dos Países Baixos, que herdara de Carlos 5º.
Carlos 1º, ao longo da década de 1630, superutilizou sua autoridade de tributar para financiar as guerras externas da Inglaterra, prática que continuou por muito tempo. Em 1763, a Grã-Bretanha derrotou a França na Guerra dos Sete Anos, quando anexou o Canadá, e as despesas foram cobertas com forte aumento de impostos, no caso pagos pelas colônias -dentre elas os Estados Unidos.
Na França, as derrotas sempre foram cobertas com impostos. Em 1780, a receita dos tributos mal cobria os juros da dívida monárquica. Para "sair" do aperto, os governantes aumentavam ainda mais os impostos, resultando na Revolução Francesa de 1789.
Assim também procederam os déspotas mais recentes como, por exemplo, Lênin, Hitler, Mussolini e Franco. O povo sempre arcou com o fardo de suas peripécias e do seu esbanjamento.
Fiquei impressionado ao me deparar com os inúmeros relatos desse tipo apresentados na obra de Mark Almond, "O Livro de Ouro das Revoluções", Rio de Janeiro: Ediouro Publicações, 2003.
No Brasil esse hábito também é antigo. Na época da colônia estava difícil pagar o quinto do ouro extraído, quando Portugal exigiu o pagamento de cem arrobas por ano. Na impossibilidade de pagar em dia, a dívida se acumulou, provocando uma cobrança acumulada de 596 arrobas -a derrama.
No tempo das monarquias, pouco se ouviam os contribuintes. Hoje não é diferente. Perdão, há uma diferença sim. Os contribuintes são carinhosamente tratados na época das eleições, mas ignorados quando os eleitos decidem sobrecarregar suas vidas.
Há poucos anos surgiu a idéia do imposto único para substituir os 55 impostos, contribuições e taxas. A idéia agradou. Os congressistas entraram na discussão. Resultado? Criaram um novo imposto e mantiveram todos os demais.
Foi assim que surgiu a hoje denominada CPMF, que, de provisória, passará a permanente na reforma tributária ora em discussão. Ou seja, nada mais perigoso do que falar em reduzir impostos. O risco de aumentar é enorme. Por isso, vou parar por aqui...

Antônio Ermírio de Moraes escreveu este texto em 31/08/2003, como vocês podem ver, nada mudou a ganância pelo assalto ao bolso do contribuinte continua...

A tal da carência

Amor é bom, mas se jogamos no outro a responsabilidade por nossa vida e nossa felicidade, o peso fica grande

RECEBI carta de um leitor me fazendo a célebre pergunta: "Afinal, o que querem as mulheres?" Ele e seu grupo de amigos têm em torno de 40 anos, trabalham, são simpáticos, separados das mulheres, alguns com filhos, outros sem, mas não conseguem uma namorada; estão achando que o que as mulheres querem é um homem bonito, de sucesso, rico, apaixonado e fiel. Será?
Não, leitor, você não tem razão. As mulheres, para começar, são todas diferentes umas das outras, não existem duas iguais. Uma é capaz de gostar de um homem feio, pobre e sem emprego, casado, com filhos, além de tudo infiel (até a você), e se apaixonar perdidamente. Aliás, o que faz uma pessoa se apaixonar por outra? Vai saber. Este é um dos grandes mistérios da vida.
Pelas qualidades não é; pela disponibilidade não é; pela capacidade de serem fiéis também não. O interesse por alguém bate ou não bate; quantas vezes homens lindos e charmosos chegam perto de uma mulher, cheios de amor pra dar, e nada, porque não bateu? E quantas outras vezes uma mulher viu um homem lá no fundo da sala sozinho, totalmente desligado, e dá aquela curiosidade de saber o que ele está pensando, já que não está rindo e dizendo bobagens ou coisas inteligentíssimas, sozinho com ele mesmo, e parecendo não precisar de nada nem de ninguém porque não precisa de ninguém para existir? Algumas mulheres gostam de ter sua curiosidade despertada, de um certo desafio, para poderem testar seu poder de sedução e conquista. Porque dizem que são os machos que caçam, mas algumas fêmeas também adoram caçar.
Talvez meu leitor esteja agindo de maneira óbvia demais, ao tentar ganhar uma mulher. Mulher é um bicho complicado, e se sentir que a parada está ganha, perde o interesse. Assim como fica muito evidente, quando uma mulher está desesperadamente procurando um homem -e dessas eles fogem como o diabo da cruz; quando eles estão querendo muito uma mulher, elas também sentem e não se interessam, a não ser que o interesse seja especificamente nela. E sabe por quê? Porque fica claro que eles e elas não estão querendo aquele homem ou aquela mulher, mas qualquer um, qualquer uma, para suprir sua carência. E não há nada pior do que uma pessoa declaradamente carente. São os que estão sempre prontos para ver o filme que o outro quer, ir ao restaurante que o outro quer, que está sempre de acordo com suas opiniões, e antes de decidir qualquer coisa, procura saber primeiro o que o outro acha.
Quem entrar numa dessas vai se arrepender do dia em que nasceu. Porque os carentes jogam todas as suas fichas no outro; não têm vida própria, não têm prazeres pessoais, que seja ler um livro, jogar paciência ou ver vitrines, e é como se dependesse do outro para respirar. Amor é bom, mas se jogamos em cima do parceiro/a a responsabilidade por nossa vida e nossa felicidade, convenhamos, o peso fica muito grande.
Por isso, meu querido leitor, não fique procurando uma mulher para uma relação, digamos assim. Faça como Zeca Pagodinho: deixe a vida te levar e um dia, quando estiver distraído, ela vai aparecer, de mansinho, como quem não quer nada. Porque, percebendo que você não precisa dela para ser feliz, ela vai, quem sabe, até se apaixonar.
E não é isso que você quer?

Texto de Danuza Leão, na Folha de São Paulo de 30/09/07

Comecei minha vida de blogueiro graças a um artigo da Danuza Leão, que precisa republicá-lo, isto aconteceu em 10/08/06 e está registrado em
http://josegeraldodasilva.zip.net/
Hoje de novo a Danuza me faz republicar um artigo seu.
Parabéns à Danuza Leão por suas crônicas, sempre muito bonitas, agradáveis de ler, com um fino humor e que na maioria das vezes batem dentro da gente e fica aquela pergunta "como não fui que fiz?"

ZUMBI VAI BEM, OBRIGADO, NA UNIPALMARES

Falta pouco para a formatura da primeira turma de administração da Unipalmares, criada em 2003. São 160 alunos, 140 dos quais negros. Em março realizarão seu baile de formatura, com traje a rigor, no Jóquei Clube de São Paulo. É uma história de sucesso na qual não entrou dinheiro da Viúva, da igreja ou dos sindicatos.
Desde sua fundação, pela ONG Afrobrás, ela se dispõe a ter 50% de alunos negros. (Contra 1,3% em São Paulo e 2,3% no Brasil.) Todos os seus vestibulares têm cerca de 80% de candidatos negros, com três inscritos para cada vaga. Hoje a Unipalmares tem 2.000 alunos, mais uma faculdade de Direito. (São Paulo tem 368 desembargadores, nenhum negro.) A mensalidade custa R$ 260, e a instituição mantém um inédito programa de emprego. Oito em cada dez alunos estão no mercado de trabalho, a maioria deles nos grandes bancos, que adotam salas de aula, oferecem bolsas, estágios e posições. Fora do mercado financeiro, só a Camisaria Colombo, onde funciona um sistema que dá 20% dos postos de trabalho a afrodescendentes. As aulas de inglês da universidade são dadas pelo curso Alumni.
Para que não se pense que essa experiência é uma iniciativa destinada a passar pó de arroz em jovens negros, o nome completo da escola é Universidade da Cidadania Zumbi dos Palmares.

Texto de Elio Gaspari na Folha de São Paulo de 30/09/07

Uma descoberta tocante!

NÃO HÁ DÚVIDA de que Deus é brasileiro. E a sua generosidade se faz mais presente quando o brasileiro trabalha sério. E isso tem acontecido em muitas áreas.
Vejam o caso da Petrobras. Se não bastassem o seu arrojo e a sua competência em buscar petróleo em águas profundas de mais 3.000 metros abaixo do nível do mar, agora, na bacia de Santos, a empresa encontrou petróleo em águas ultraprofundas, a mais de 5.000 metros. Sim, mais de 5.000 metros de profundidade!
A se confirmar o que foi achado em quatro poços perfurados, o Brasil tem toda a chance de, dentro em breve, dobrar as suas reservas e a sua capacidade de produção diária.
Os técnicos foram pesquisar numa área que fica abaixo da mais profunda camada de sal do mar. Antes dessa profundidade, eles já haviam encontrado montantes apreciáveis de petróleo, mas nada comparável à estimativa de 20 bilhões de barris, como ocorreu nos quatro poços sondados.
Isso é alentador. Se tudo for confirmado, significa que o petróleo pode durar mais do que se pensava. Significa também que, nas águas ultraprofundas, o Brasil encontrará um óleo de melhor qualidade, o que vai propiciar ao país conseguir um melhor preço no mercado internacional.
Mais uma vez, os brilhantes talentos da Petrobras venceram as dificuldades e trouxeram a boa nova. Parabéns!
A notícia veio numa hora crítica, pois, na semana passada, o barril de petróleo em New York chegou a US$ 84 -um absurdo. E tudo indica que vamos terminar o ano nessa base.
Esse preço reflete o agravamento da crise com o Irã, a redução da oferta dos produtores da Opep, a queda nos estoques dos americanos e o próprio aquecimento da demanda, puxado pela China.
Mesmo os que consideram um certo esfriamento da economia mundial, as necessidades de petróleo são crescentes e deverão seguir de forma contínua por duas ou três décadas.
Energia é a chave do progresso. Felizes são os países que dispõem de recursos energéticos abundantes e baratos.
No caso do petróleo das águas ultraprofundas, a extração é caríssima, mas os preços são bem mais altos do que o óleo pesado.
O Brasil está bem servido em matéria de energéticos limpos, como são os casos da energia hidrelétrica e do etanol. Alguém duvida de que Deus tenha simpatia pelos brasileiros?

Texto de Antonio Ermírio de Moraes, na Folha de São Paulo de 30/09/07

sábado, 29 de setembro de 2007

Biocombustível será a desgraça da Amazônia

Em discurso, o presidente dos EUA pediu a duplicação das reservas estratégicas de petróleo dos Estados Unidos até 2027.
Ainda na questão dos combustíveis, o governo americano pediu ao Congresso medidas que reduzam o consumo de gasolina em até 20% na próxima década.
Bush propõe que etanol e outros combustíveis sejam misturados à gasolina, num volume de 132 bilhões de litros em 2017, o que representa um aumento de quase cinco vezes em relação aos 28,3 bilhões apontados como meta para 2012.
Ele defendeu ainda o uso de outras energias alternativas, como a nuclear, e afirmou que o país deve se preocupar com a conservação da natureza enquanto busca sua auto-suficiência energética. "Precisamos viver com menos dependência do petróleo. Energias alternativas nos ajudarão a lidar com a séria ameaça das mudanças climáticas", disse o presidente.
Como não existem áreas a serem desbravadas na América do Norte, na Europa e na Ásia restam os imensos territórios da África e da Amazônia para o cultivo do biocombústivel.Precisamos ficar vigilantes para que as florestas da Amazônia não sejam devastadas para se tornarem campos de soja, cana, babaçu, dendê, mamona.
Os tanques famintos dos automóveis seriam saciados com biocombústivel, mas de onde virá o biocombústivel?
Sou favorável ao reaproveitamento das terras degradadas e abandonadas para o cultivo do biocombustível, mas não é isto o que mostra a história da agricultura nos últimos séculos.Infelizmente a ganância pelo lucro sempre falou mais alto.

BRASILEIROS CUIDADO COM A AMAZÔNIA

Texto publicado originalmente em 24/01/07, depois desta publicação neste blog uma das primeiras vozes que concordaram comigo foi Fidel Castro e eu até fiquei infeliz, pois só o ditador da "ilha" via o que eu via.
De lá para cá as vozes concordando com minha opinião se multiplicaram. Até a ONU acordou para este perigo que é encher os tanques famintos dos automóveis com comida, que seria destinada originalmente aos seres humanos.
Confira em
http://amorordemeprogresso.zip.net/arch2007-01-21_2007-01-27.html

Acabei de ler a reportagem abaixo.

Amazônia: Governo vai permitir plantações de cana em áreas de pastagem degradada

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, disse nesta quinta-feira que o governo vai permitir, e até incentivar, a produção de cana-de-açúcar na Amazônia, desde que seja em áreas de pastagem degradadas. Essa possibilidade estará no zoneamento agrícola a ser lançado em junho de 2008. Ele explicou que a idéia é disciplinar o uso das terras na produção de açúcar e álcool.
Segundo Stephanes, haverá quatro tipos de mapa. O primeiro, com tudo o que já existe em termos de produção de etanol e açúcar no Brasil. O segundo terá os locais, sob o ponto de vista agrícola e de acordo com a capacidade de produção, onde a cana-de-açúcar pode ser cultivada. O terceiro mapa será onde o governo não quer que se plante cana. As áreas restritivas serão o Pantanal, a Amazônia, a Mata Atlântica, as áreas indígenas, entre outras. Já o quarto mapa mostrará onde o governo quer que seja plantada cana-de-açúcar.
- No último caso, a prioridade são as áreas de pastagem, degradadas ou não. Os produtores deverão receber incentivos para plantar a cana-de-açúcar nesses locais - afirmou o ministro.

O texto é de Eliane Oliveira, está no Portal G1, foi publicada em 27/09/07
Bom vocês já sabem como será; se é permitido plantar cana-de-açucar em áreas degradadas, então o que tem que ser feito é DEGRADAR a área e estamos conversados.

Como se dizia nas aulas de antigamente: cqdm(como queria demonstrar)

Demanda por etanol prejudica programas de ajuda de alimentos

O surto na demanda por milho para a produção de álcool pode contribuir para agravar a fome neste ano. A alta nos preços de alimentos, movida em parte pela demanda do etanol, promoveu um corte na quantidade de comida que o governo pode comprar, e a ajuda alimentar chegou ao seu mais baixo nível em uma década.
Os EUA, maior doador do mundo, compraram menos da metade da quantidade de comida para assistência neste ano do que a contribuição de 2000, de acordo com novos dados do Departamento de Agricultura.
"As pessoas que estão morrendo de fome e dependem da ajuda vão sofrer", disse em entrevista Jean Ziegler, relator especial da ONU ao direito à alimentação.
O preço do milho caiu um pouco nos últimos meses, mas ainda assim está muito mais alto do que era há um ano. A demanda por etanol também elevou indiretamente o preço crescente da soja, pois a terra que produzia soja mudou para o milho. E o preço do trigo explodiu com a seca que prejudicou a produção na Austrália, sua maior produtora.
Os preços mais altos dos alimentos não reduziram apenas a quantidade doada pelos EUA, mas também estão tornando mais difícil para os pobres comprarem alimentos eles mesmos, dizem os economistas e defensores de quem tem fome.
"Tememos que o aumento constante dos preços de alimentos atinja mais duramente os que estão na linha de frente da fome", disse Josette Sheeran, diretora executiva do programa da ONU Comida Mundial.
Ela advertiu que os gastos com assistência alimentar teriam que crescer só para continuar alimentando o mesmo número de pessoas. No entanto, o orçamento para o próximo ano, que está sendo avaliado no Congresso, não promete aumentos significativos no orçamento de alimentos.
O efeito do preço dos alimentos sobre a assistência faz parte de um debate mais amplo sobre o impacto de longo prazo sobre os pobres com a utilização de produtos alimentícios para produzir álcool e outros biocombustíveis, uma estratégia que países ricos como os EUA esperam que eventualmente reduza sua dependência do petróleo do Oriente Médio.
Alguns defensores dos pobres dizem que os preços dos alimentos em alta podem beneficiar agricultores pobres em países em desenvolvimento, dando-lhes mercados e retornos decentes para seus cultivos.
Outros, porém, advertem que o uso crescente de produtos alimentícios para produzir combustível, especialmente se for promovido por amplos subsídios em países ricos, pode aumentar substancialmente os preços dos alimentos e levar centenas de milhões de pessoas à fome, especialmente os pobres urbanos e rurais sem terra.
O uso de alimentos para fazer biocombustível também tende a favorecer produtores com muito capital e grandes terras, em vez dos agricultores de pequena escala empobrecidos, que não têm armazéns para grãos, em países pobres afligidos por estradas ruins.
"As políticas estabelecidas serão cruciais em determinar se os produtores pequenos e o povo onde há fome poderão se beneficiar", disse Bem Senauer, co-diretor do Centro de Indústria Alimentícia a Universidade de Minnesota.
Por enquanto, a assistência alimentar está sofrendo, assim como os pobres em países pobres, dizem os economistas. E sua situação ainda pode piorar no próximo ano, dizem organizações internacionais e agências de alívio.
A Organização de Alimentos e Agricultura da ONU estima que os países de baixa renda dependentes de importações de alimentos, incluindo a maior parte da África sub-saariana, pagarão 14% a mais para importar cereais no ano que vem.
A capacidade do mundo de absorver choques de preços encolheu junto com os estoques globais de alimentos.
"Estamos muito preocupados", disse Henri Jossserand, que chefia o sistema de advertência e informação global da organização.
"Os estoques de alimentos mundiais estão muito menores do que costumavam ser. Vamos ficar de olho no tempo.
"O declínio da ajuda alimentar também poderá continuar. O grupo de Serviços de Alívio Católicos, importante distribuidor da ajuda americana, projetou aumentos substanciais no preço que o governo federal pagará para enviar ajuda no ano que vem, com base na análise do mercado de futuros para trigo, milho e soja, que são a base da ajuda alimentar.
"É má notícia e não só vai afetar a ajuda alimentar dos EUA, mas a ajuda alimentar de todas as fontes", disse Frank Orzechowski, corretor de commodities aposentado que agora presta consultoria aos Serviços de Alívio Católicos, um grupo sem fins lucrativos.
O declínio na quantidade de ajuda alimentar neste ano seguiu um período de forte aumento nos custos de envio de alimentos produzidos nos EUA para África e Ásia, que já tinham provocado uma redução na quantidade oferecida.
O Escritório de Contabilidade do governo dos EUA concluiu, no início do ano, que o número de pessoas ajudado pela comida americana caiu de 105 milhões em 2002 para 70 milhões em 2006, principalmente devido aos custos crescentes de transporte e logística.
Agora, os preços dos alimentos também estão tendo um papel. Novos dados do Departamento de Agricultura mostram que o custo dos alimentos do principal programa de alimentação do governo, Comida para a Paz, aumentou 35% nos últimos dois anos.
A quantidade de comida comprada por programas norte-americanos de assistência caiu de 5,3 milhões de toneladas em 2000, para 4 milhões de toneladas em 2005 e 2,4 milhões de toneladas neste ano.
Thomas Melito, que supervisionou a investigação do Escritório de Contabilidade neste ano, chamou os custos crescentes de "assustadores".
"Em uma situação em que há 850 milhões de pessoas passando fome no mundo, o programa só forneceu o suficiente para 70 milhões de pessoas em 2006, e os novos totais serão ainda menores", disse ele. "A necessidade de tornar este programa mais eficiente é ainda maior.
"O Congresso agora está considerando mudanças no programa de ajuda alimentar como parte do projeto de lei de agricultura. Segundo alguns economistas e defensores dos que têm fome, as mudanças melhorariam a eficiência do programa e permitiriam que alimentasse mais pessoas.
Eles apontam para uma proposta do governo Bush que permitiria ao governo usar até US$ 300 milhões (em torno de R$ 600 milhões) do orçamento de ajuda alimentar para comprar comida em países africanos, perto das situações de emergência, em vez de enviá-la dos EUA em navios de bandeira americana, como a lei atual requer.
Em seu discurso na ONU nesta semana, o presidente Bush disse que a proposta apressaria a entrega e ajudaria a criar um mercado para agricultores pobres em países em desenvolvimento.
A versão da lei da Câmara não inclui esse item. O Comitê de Agricultura do Senado ainda não apresentou um projeto de lei.
"Para mim, essa é a saída dessa encruzilhada", disse Emmy Simmons, economista de agricultura e gerente aposentada da Agência Americana para Desenvolvimento Internacional.

Texto de Célia W. Dugger - Tradução: Deborah Weinberg
Fonte: The New York Times de 29/09/07

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Nobel critica biocombustível

Nobel critica biocombustível em novo estudo

Alguns tipos de biocombustível podem ter impacto pior que o do petróleo sobre o aquecimento global, afirma o alemão Paul Crutzen, vencedor do Prêmio Nobel de Química de 1995.Segundo o pesquisador, há contas mostrando, por exemplo, que um combustível derivado de colza cultivada na Europa produz 70% mais gases causadores do efeito estufa do que o óleo diesel convencional. Já o álcool de milho nos EUA pode ser 90% pior que a gasolina.
Em estudo publicado na revista "Atmospheric Chemistry and Physics Discussions", Crutzen sugere que a produção de biocombustível use plantas que não dependam de muitos insumos e muita energia na colheita.
A maior vantagem dos biocombustíveis sobre os combustíveis fósseis como petróleo e carvão é que as plantações necessárias à sua produção absorvem ao crescer dióxido de carbono, o gás-estufa mais abundante no planeta.
Segundo Crutzen, porém, algumas culturas necessitam de muito adubo, e o uso desse insumo pode causar a emissão de gases-estufa que neutralizam -ou superam- o volume de CO2 absorvido. A maioria dos fertilizantes usados hoje liberam óxido nitroso (N2O), muito mais nocivo ao clima que o dióxido de carbono.
O trabalho de Crutzen foi baseado em descobertas recentes de que o uso de adubo em plantações pode causar uma liberação de óxido nitroso de três a cinco vezes mais do que se imaginava.Com base em outras pesquisas recentes, o químico critica o discurso que descrevem biocombustíveis como a panacéia mundial para combater a crise do clima.
Crutzen aponta que mesmo culturas de baixa emissão de gases podem ter impacto negativo sobre o clima. A substituição de gasolina por álcool de cana-de-açúcar pode cortar emissões em até 50%, mas não se o aumento da área plantada implicar em derrubada de floresta. Uma guinada para a produção de biocombustível também pode agravar a fome em algumas regiões, diz.

Da agência Reuters, na Folha de São Paulo de 28/09/07

terça-feira, 25 de setembro de 2007

A máquina de chuva da Amazônia


THOMAS E. LOVEJOY e GOMERCINDO RODRIGUES

A única opção sensata é passar de uma política de redução do desmatamento para uma de suspensão completa




PODE PARECER que isótopos de oxigênio e a luta dos seringueiros no Acre tenham pouco em comum. Mas ambos fazem parte do futuro da Amazônia e de uma parte significativa da agroindústria e da geração de energia hidrelétrica no Brasil.
Juntas, exigem um avanço importante na política para a Amazônia. À época que Chico Mendes lutava para assegurar o futuro dos seringueiros e da floresta, um dos mais respeitados cientistas brasileiros, Eneas Salati, analisava proporções de isótopos de oxigênio na precipitação pluviométrica amazônica do Atlântico ao Peru. Sua conclusão foi irrefutável: a Amazônia produz a parte maior de sua própria chuva. A implicação óbvia foi que o excesso de desmatamento poderia degradar o ciclo hidrológico.
Hoje, imagens obtidas por sensoriamento remoto mostram que o ciclo hidrológico não apenas é essencial para a manutenção da grande floresta mas também garante uma parcela significativa da chuva que cai ao sul da Amazônia, em Mato Grosso, em São Paulo e até mesmo no norte da Argentina. Quando a umidade do ciclo, que se desloca em direção ocidental, atinge o paredão dos Andes, uma parte importante dela é desviada para o sul. Boa parte da cana-de-açúcar, soja e outras safras agroindustriais nessas regiões depende da máquina de chuva da Amazônia. O mesmo acontece com parte importante da geração de energia hidrelétrica no Brasil. A economia brasileira não pode se dar ao luxo de perder a contribuição importante da máquina de chuva amazônica.
A grande pergunta científica e política é: quanto desflorestamento prejudicará a máquina de chuva? Não há uma resposta simples a essa pergunta complexa. Novas pesquisas do Inpe sugerem que o ponto decisivo será o de um desmatamento de mais ou menos 40%. Com o índice atual de desflorestamento em cerca de 20%, isso pode parecer estar ainda distante. Não obstante, o bom senso indica que o momento de agir é agora. A máquina de chuva é sujeita a outros fatores que independem do desflorestamento: o tipo de seca provocada pelo El Niño em 1997 e aquela causada por mudanças na circulação do Atlântico em 2005. Em conseqüência disso, o ponto decisivo é muito mais próximo de 20% que de 40%. Não faz sentido descobrir esse ponto desencadeando a degradação da máquina de chuva.
O Brasil merece ser parabenizado pela recente redução no índice de desmatamento (50% em relação a dois anos antes), mas isso apenas adia o momento em que a máquina de chuva será enfraquecida. A única opção sensata é passar de uma política de redução do desmatamento para uma de suspensão completa.
Essa política deve ser suplementada com um trabalho agressivo de reflorestamento. Isso não significa que a floresta seja intocável, mas sim, como nos mostraram Chico Mendes e os seringueiros, que os usos da floresta devem ser compatíveis com a manutenção dela e dos serviços que ela presta, incluindo a máquina de chuva.
Isso pode ser conseguido por meio de recursos adicionais do esforço global para controlar a emissão de gases causadores do efeito estufa.
Aproximadamente um quinto do aumento anual das concentrações atmosféricas de gases causadores do efeito estufa vem do carbono liberado com o desmatamento. Isso faz do Brasil um dos seis maiores emissores mundiais de gases.
Assim, é do interesse do Brasil e do resto do mundo fornecer recursos financeiros para o "desmatamento evitado". Tais esforços não devem reduzir o imperativo da criação de uma nova matriz energética para a sociedade; as mudanças climáticas são tão urgentes que precisamos enfrentar tanto a energia quanto o desmatamento simultaneamente.
O momento para levar essa agenda adiante é agora, na Assembléia Geral da ONU, na reunião de Bali sobre a convenção climática e em outros encontros. Será mais conveniente deixar os detalhes a serem resolvidos a cargo das nações envolvidas. O princípio, porém, é claro: os países que têm grandes florestas devem ser recompensados pelo serviço que prestam ao ecossistema global ao manter o carbono nas florestas e fora da atmosfera. O benefício adicionado ao Brasil é a manutenção da máquina de chuva.
Para que isso funcione, a parte maior da compensação deve ser repassada às regiões recobertas de floresta e, especialmente, às comunidades em cujas mãos está o futuro das florestas. Foi essa a lição fundamental que nos ensinaram Chico Mendes e os seringueiros. Os povos tradicionais, a máquina de chuva da Amazônia e a economia brasileira compartilham um interesse grande no futuro da grande floresta.
THOMAS E. LOVEJOY , 66, doutor em biologia pela Universidade Yale (EUA), é presidente do Centro Heinz de Ciências, Economia e Meio Ambiente. Trabalha com ciência e política na Amazônia há 42 anos. GOMERCINDO RODRIGUES , advogado, trabalhou como agrônomo com Chico Mendes e os seringueiros do Acre no final dos anos 1980. Ganhou a medalha Chico Mendes de Resistência do Tortura Nunca Mais e é autor do livro "Caminhando na Floresta".
Tradução de Clara Allain.
Meu comentário: não há redução de desmatamento, só havérá redução de desmatamento, quando conseguirmos replantar mais árvores do que aquelas que eventualmente sejam derrubadas. É necessário parar com o desmatamento imediamente.

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Liderança e mudança climática

BAN KI-MOON

Os efeitos das mudanças climáticas são sentidos mais profundamente pelos mais vulneráveis e menos responsáveis pelo problema

A CADA dia surgem novas evidências. A mudança climática se transformou em realidade para todos nós neste planeta. Para citar o exemplo mais recente, cientistas revelaram que a calota polar do Ártico está derretendo num ritmo muito mais acelerado do que o pensado. Segundo previsões, 40% do gelo, que no verão cobre o oceano Ártico, desaparecerá até 2050.
Estudos anteriores afirmavam que isso não ocorreria antes de um século.
Não é de surpreender que a questão de mudança climática esteja no topo da agenda política mundial. Por isso, convoquei líderes mundiais para um encontro de alto nível hoje, na sede da ONU.
Estou extremamente preocupado que a reação ao problema esteja muito aquém da desejada.
O encontro de hoje é um apelo político à ação, ocasião para que todos os países, grandes ou pequenos, abracem o imperativo moral de deter as mudanças climáticas com uma nova urgência e comecem a compreender nosso interesse mútuo em fazê-lo.
A ciência é clara. No início do ano, cientistas de todo o mundo nos mostraram isso com uma clareza sem precedentes. A mudança climática é real.
Seu impacto pode ser devastador e até catastrófico pelas próximas décadas. Sabemos o que deve ser feito. Temos a tecnologia para fazê-lo.
Não há mais tempo a perder. Numa recente viagem ao Chade, vi com meus próprios olhos as conseqüências humanitárias das mudanças climáticas. Cerca de 20 milhões de pessoas dependem de um sistema fluvial e lacustre que diminuiu para um décimo de seu tamanho original. A África sofre a pior enchente de todos os tempos, que obriga centenas de milhares de pessoas a abandonar suas casas.
São apenas sinais do que ainda está por vir. Os problemas que nossa geração enfrenta serão piores para nossos filhos, especialmente se não agirmos. Ao convocar a reunião de hoje, desafiei presidentes e primeiros-ministros a mostrar liderança. Liderança é sobre escolhas, especialmente as mais difíceis, que apontam novos caminhos.
Tem a ver com visão e vontade política -a habilidade de prever o que precisa ser feito e apressar o passo rumo à mudança. Sei que não será indolor. Mas somente através de ação imediata evitaremos sofrimento pior.
Coletivamente, precisamos dar mais valor às ações. E o fardo é maior para os países industrializados. Os responsáveis pela magnitude do problema possuem maior responsabilidade. Ao mesmo tempo, países em desenvolvimento precisam de incentivos para engajar-se no esforço. As soluções não podem exigir sacrifícios que não podemos pedir que façam.
Nações em desenvolvimento têm o direito de crescer. Têm o direito de sair da pobreza.
Para que isso aconteça, precisamos nos unir ao setor privado, estimular a atividade econômica, usar novos sistemas de financiamento e de mercado, desenvolver e transferir know-how e criar empregos.
Nosso planeta é mais frágil do que se pensa. Ecossistemas inteiros que sustentam milhões de vidas estão em considerável desequilíbrio. Em alguns casos, países inteiros e povos -não só espécies animais- correm risco de desaparecer. Os efeitos estão sendo sentidos mais profundamente por aqueles mais vulneráveis para combatê-los e menos responsáveis pelo problema. É uma questão moral.
Ações nacionais devem estar no cerne de nossa resposta. Até agora, esses esforços têm sido inadequados.
Quinze anos após a Convenção sobre Mudança do Clima, aprovada no Rio, e dez anos após o Protocolo de Kyoto (que expira em 2012), as emissões de carbono em nações industrializadas continuam aumentando.
Mas políticas nacionais são insuficientes. A invisibilidade das fronteiras quanto aos gases que afetam o clima e a grande quantidade de interesses políticos e econômicos envolvidos requerem cooperação internacional.
Temos uma estrutura ideal. Chama-se ONU -especialmente equipada para servir de fórum para encontrar soluções para a mudança climática que sejam significativas, igualitárias e sustentáveis a longo prazo.
Neste ano de encruzilhadas, em que os governos aceitaram as constrangedoras descobertas do IPCC, peço aos líderes mundiais que exerçam sua liderança. Que ajam. Trabalhar como sempre não é suficiente.
Na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas em Bali, em dezembro, governos devem trabalhar com urgência e criatividade para estabelecer um novo acordo. Precisamos de um amplo e novo tratado multilateral sobre mudanças climáticas que todas as nações possam abraçar.
Para nós, o momento é crucial. Temos uma responsabilidade histórica com as futuras gerações. Nossos netos serão nossos juízes.

BAN KI-MOON , 63, mestre em administração pública pela Universidade Harvard (EUA), é o secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas).

sábado, 22 de setembro de 2007

Os novos caras pintadas

Nossos caros inimigos

Quando me viu pela primeira vez, entre manifestantes, bandeiras e cartazes, minha filha disse: pai, que mico. Compreendi que o que era glamouroso em outras épocas pode parecer ridículo com a passagem do tempo.
Essa lembrança surgiu no domingo, quando debatia com pessoas que reclamavam da falta do povo na rua. Elas pareciam lamentar o avanço tecnológico, computadores e celulares que permitem uma outra maneira de expressão.
Não defendo a tese de que devam substituir as antigas formas. O ideal é a convergência dessas técnicas com a presença física, como houve na Espanha. Ali, o governo de centro-direita tentou manipular as notícias sobre o atentado terrorista. Pelos celulares, as pessoas conseguiram organizar grande manifestação de protesto. A convergência de dois fatores uniu o novo e o velho: o trauma de um atentado e a efervescência pré-eleitoral.
Muitos consideram hoje as manifestações inúteis e ruidosas.
Mesmo se compararmos a resistência à Guerra do Vietnã com a resistência à invasão do Iraque veremos que, naqueles anos, os protestos eram mais intensos. Havia mais gente na rua.
Creio que hoje, graças à internet, haja mais gente pensando. O que era resolvido com esforço físico tornou-se um desafio intelectual. Como se tivéssemos passado da fase do trabalho manual para o intelectual. Novas diretrizes se impõem. A criatividade e a inteligência ganham importância.
Assim como as manifestações são avaliadas de forma diferente em épocas diferentes, também o são os valores. Richard Sennet avaliou a dissolução do caráter no capitalismo avançado. Não concordo com todas as suas premissas, mas reconheço que as épocas impõem mudanças. Isso é claro no Brasil. Há um certo fascínio diante do vencer a qualquer preço.
Entre políticos e alguns jornalistas, há irritação com a chamada bandeira ética. Admitem o comportamento de quem fica no seu canto, e o digerem como uma discreta extravagância, reservada ao defensor do esperanto como linguagem universal ou da volta do latim aos currículos escolares.
A hostilidade volta-se apenas contra quem age, rompendo a tradição nacional do católico não-praticante. Quem se move é um cretino em busca de holofotes, um demagogo jogando para as platéias.
Ecochato no passado, cretino no presente, temos de enfrentar a maré dos que tornam o planeta uma terra arrasada e a democracia um sigiloso bordel.
Não há garantia de que a sustentabilidade e a transparência vencerão no futuro. No caso de derrota, resta-nos agüentar os golpes furiosos e tentar morrer com a dignidade de uma espécie em extinção.
Texto de Fernando Gabeira na Folha de São Paulo de 22/09/07
assessoria@gabeira.com.br

Aprendi a admirar o Gabeira quando votou a favor da quebra do monopólio das telecomunicações. A liberdade de empreendimento nas telecomunicações permitiu que os brasileiros pudessem entrar na era das modernas telecomunicações, hoje qualquer pessoa tem telefone residencial e também telefones celulares. A expansão da internet de banda larga permite que este blogueiro possa fazer "passeata on-line" aqui no blog ou no Orkut. Nós blogueiros somos os novos cara-pintadas.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Povão no Palácio




JGS opina
A foto ao lado mostra como são tratados aqueles que querem conversar com o governo, como são tratados aqueles que discordam do rumo de nossa polititica, do rumo da nossa economia que condena milhões de brasileiros a viverem com bolsa esmola.
Imagem da face real do governo, em tempos de eleição: beijos hipócritas em crianças, abraços e afagos para todo mundo, depois de eleito, o palácio vira antro para os renans avacalheiros da vida, mas não cabem o "povão".
Assim como eu - "ele está muito revoltado" com a escola de seus quatro filhos, que tem um esgoto aberto, com a falta de policiamento e com o sistema de saúde do município.
Antes que algum governista ache que estou exagerando nas críticas, deixo uma coisa bem clara, esta cena aconteceria também no governo FFHH.
JGS

"Presidente, salva eu", gritava Ângelo de Jesus
Lavrador invade Planalto para pedir ajuda "Presidente, salva eu", gritava Ângelo de Jesus, que foi imobilizado por agentes e levado a um hospital
Ele queria falar com Lula. Passou direto pelo detector de metais, mas foi rendido pelos seguranças do Planalto -foram necessários seis para segurá-lo. "Presidente, salva eu, salva eu presidente", gritava o agricultor. Ângelo insistia em falar com Lula e se debatia, tentando se desvencilhar dos seguranças.Disse aos jornalistas que estava há quatro dias sem comer e que sofria de hanseníase. Saiu do palácio algemado e carregado por seguranças e policiais militares, chamados ao local.Segundo a assistente social Edna Joaquim de Moraes, ele disse que havia vindo para Brasília, de carona, "por causa das injustiças em sua cidade", mas já havia desistido de falar com Lula porque "o povo não tem vez". Edna ligou para um departamento de assistência social do Distrito Federal para providenciar uma passagem de volta para o agricultor, mas, ao pedir um carro do hospital para levá-lo ao departamento, viu que ele havia sumido.Segundo a Presidência, Ângelo foi transferido para o Hospital das Forças Armadas, onde um médico e um assessor do gabinete pessoal de Lula acompanham o agricultor. Funcionários também tentavam, até ontem à tarde, contatar familiares de Ângelo. Ele é natural de Pindobaçu, Bahia.
Do orelhão da cidade, a mulher de Ângelo e uma de suas vizinhas, que viram tudo pela TV, disseram que, na segunda-feira, ele encontrou uma amiga da família no ponto de ônibus e pediu que ela avisasse que ele ia a Brasília falar com Lula.
Segundo a vizinha, "ele está muito revoltado" com a escola de seus quatro filhos, que tem um esgoto aberto, com a falta de policiamento e com o sistema de saúde do município.
Reportagem da Folha de São Paulo de 21/09/07

CPMF poderia acabar em 2009

ANÁLISE

Apenas dois anos sem aumento de gastos acima da inflação e um crescimento econômico razoável, inferior ao prometido pelo governo, seriam suficientes para tornar a receita da CPMF desnecessária no Orçamento federal.
Uma simulação elaborada pela Folha mostra que a declaração de anteontem do presidente Lula, de que "ninguém conseguiria governar este país sem a CPMF hoje", só é verdadeira graças à última palavra -ou se governar significa manter as despesas federais em expansão nos próximos anos.
Se os gastos projetados para 2008 mantivessem o patamar deste ano, com alta limitada à variação dos índices de preços, já seria possível, em janeiro, reduzir à metade a alíquota da CPMF, hoje em 0,38%. Bastaria um crescimento econômico de 4%, que elevaria naturalmente a receita dos demais tributos no mesmo percentual.
Mantido tal desempenho, no ano seguinte a contribuição provisória poderia ser extinta, sem necessidade de elevar alíquotas de outros tributos nem de comprometer a atual meta de superávit primário (a parcela da arrecadação destinada ao abatimento da dívida pública).
Trata-se de uma hipótese conservadora diante das previsões do governo, que alardeiam crescimento da economia de 4,7% neste ano e de 5% nos próximos, até o final do mandato de Lula. E, nos últimos anos, a receita dos demais tributos tem crescido a taxas superiores às do PIB.
Pela mesma metodologia, mesmo com taxas pífias de crescimento, de 2% anuais, a CPMF se tornaria desnecessária em 2011, ano até o qual o governo quer prorrogar a cobrança do tributo. Em qualquer cenário, a redução gradual da CPMF é viável se a despesa crescer a taxas inferiores às da economia nacional.
Tal condição está longe de ser tecnicamente impraticável: na primeira metade do primeiro mandato, a administração petista trabalhou com gastos inferiores, como proporção do PIB, aos do final do governo FHC. O que a declaração de Lula indica, isso sim, é que a CPMF se tornou imprescindível por uma opção política.

Derrota na eleição
Planos para promover uma redução da relação entre os gastos do governo e o PIB foram estudados pelas equipes dos dois principais candidatos a presidente em 2006, o vitorioso Lula e o tucano Geraldo Alckmin. A proposta acabou derrotada quando o PT conseguiu acuar o PSDB com a acusação de que se tramava um corte de programas sociais.
No calor da campanha, seria difícil explicar que, mais exatamente, a idéia era restringir a expansão desses programas e, mais importante, dos reajustes do salário mínimo, que afetam a Previdência Social, as verbas assistenciais e o seguro-desemprego -ou quase a metade do Orçamento da União.
O cenário favorável da economia internacional encorajou Lula a manter a trajetória de crescimento acelerado dos gastos adotada a partir da segunda metade de seu primeiro mandato, que facilitou a reeleição e a recomposição de sua base parlamentar após o mensalão.Ainda discutidas na equipe econômica, medidas de contenção de despesas estão reservadas para uma eventual situação de crise financeira -por exemplo, se a turbulência do mercado americano se agravar. Mas, com crise, a hipótese de abrir mão da CPMF se torna ainda mais remota.
Texto de Gustavo Patuda na Folha de São Paulo de 21/09/07

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Autorização para corte de mata é suspensa em São Paulo

O governo de São Paulo vai "fechar para balanço" a concessão de autorizações de corte de vegetação com o objetivo de proteger, principalmente, o pouco de cerrado que ainda existe no Estado.
A suspensão das autorizações vale para fragmentos de cerrado e mata atlântica em estágio médio e avançado de regeneração e para áreas que abrigarem espécies ameaçadas de extinção.Também não será concedida autorização para imóveis que tenham infrações ambientais não regularizadas ou com ocupação irregular de APPs (Áreas de Proteção Permanente, como topos de morro e ao longo de rios). A medida afeta principalmente o cerrado, já que a mata atlântica já tem lei específica de proteção desde 2006.
Segundo Renata Beltrão, diretora-geral do DEPRN (Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais), obras de loteamento no litoral e interior, atividades de mineração e projetos agropecuários serão os mais atingidos. A exceção é para obras de utilidades pública -como aberturas de estradas e obras de saneamento.
O secretário estadual Xico Graziano (Meio Ambiente), assina amanhã a resolução que determina a restrição -ela prevê que a revisão dos critérios ocorra em meio ano. Segundo ele, a cada ano a área autorizada a ser desmatada no Estado cresce -em 2006, foram 6.000 hectares (o equivalente a 8.400 campos de futebol). O Estado tem só 14% de sua área coberta por vegetação -desse total, cerca de 1% é cerrado.
Para Mário Mantovani, diretor da ONG SOS Mata Atlântica, a medida é positiva. "Está na hora de tomar esta atitude."Se perceber que a resolução não terá a eficácia pretendida, Graziano diz que não hesitará em enviar uma lei à Assembléia Legislativa.

Texto de Afra Balazinada na Folha de 20/09/07

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Aquecimento global abre passagem no Ártico

Efeito estufa abre passagem no Ártico

Aquecimento global abre no gelo rota de navegação da Europa para a Ásia

Pela primeira vez, desde que passou a ser monitorada, a rota de navegação mais direta da Europa para a Ásia não está bloqueada pelo gelo. Cientistas afirmam que o fenômeno está ligado ao aquecimento global. A chamada Passagem Noroeste, que liga os oceanos Atlântico e Pacífico, normalmente permanece fechada o ano todo por causa das geleiras.
De acordo com a Agência Européia Espacial (Esa, na sigla em inglês), as geleiras vêm diminuindo há alguns anos, e a redução deste ano tornou a rota navegável.
A descoberta, feita com a ajuda de imagens do satélite Envisat, da Esa, levanta questões sobre a velocidade do aquecimento global.

Passagem lendária
A Passagem Noroeste é uma das mais lendárias rotas de navegação do mundo - um atalho da Europa para a Ásia através do Ártico canadense.
A geleira vinha diminuindo nos últimos anos, mas o ritmo deste ano foi extremo, segundo a Esa. Cientistas dizem que esta é a primeira vez que a passagem está totalmente navegável desde que começou a ser monitorada, em 1978.
“Nós vimos a área da geleira diminuir para apenas 3 milhões de metros quadrados”, disse à BBC Leif Toudal Pedersen, do Centro Nacional Espacial da Dinamarca.

Alerta
Trata-se de uma área com cerca de um milhão de metros quadrados menor do que a mínima registrada em 2005 e 2006. “Vivemos um momento preocupante. Houve redução em média de cerca de 100 quilômetros quadrados da geleiras por ano, nos últimos 10 anos. Então, uma redução de um milhão de metros quadrados em apenas um ano é extrema”, alertou.
A geleira que cobre a Passagem Nordeste, pelo Ártico russo, também está diminuindo e atualmente ela está apenas “parcialmente bloqueada”, segundo a Esa.
Os cientistas atribuem as mudanças ao aquecimento global, que pode estar ocorrendo mais rápido do que se esperava. Especialistas da Organização das Nações Unidas alertam que, pelo ritmo atual, o gelo do Oceano Ártico se derreterá completamente em 2070.

Fonte: Jornal da Tarde de 17/09/07
http://www.jt.com.br/editorias/2007/09/17/int-1.94.6.20070917.4.1.xml

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Lixo - recomeço da estaca zero

No final da semana passada, o presidente da República enviou ao Congresso um novo Projeto Nacional de Política de Resíduos Sólidos - área em que nosso atraso é inacreditável. Será que desta vez conseguiremos sair, literalmente, das montanhas de resíduos que nos envergonham?

Não será fácil. Basta lembrar a última tentativa - já comentada aqui -, quando centenas de projetos nessa área que tramitavam pelo Congresso Nacional foram, em 2000, sistematizados num único projeto pelo relator designado, o então deputado Emerson Kapaz. Tinha ele vários dispositivos interessantes, como o que tornava obrigatória a coleta seletiva e reciclagem em municípios com mais de 100 mil habitantes (embora se pudesse perguntar por que só neles), ou as restrições ao consumo de bebidas e refrigerantes enlatados em recintos abertos - entre outros. Mas bastaram umas poucas audiências no Congresso, com os lobbies dos setores interessados a todo vapor, para que se fosse de recuo em recuo, até voltar à estaca zero.

O novo projeto enumera vários princípios louváveis que devem inspirar a política do setor, entre eles os que dão preferência a materiais reciclados nas aquisições governamentais e o que propõe a integração de cooperativas de catadores de resíduos nos programas. Mas a ausência de diretrizes obrigatórias para vários setores que geram resíduos, assim como a não-responsabilização dos geradores de lixo de qualquer tipo pelos custos de coleta e destinação geram dúvidas sobre a eficácia da política proposta. Se é que passará pelo Congresso no formato proposto.

Preocupa. Porque o quadro atual nessa área é dramático. Segundo o IBGE, já em 2002 eram coletadas a cada dia no País 228,4 mil toneladas de resíduos domiciliares e comerciais (fora os entulhos - uma tonelagem maior que a daqueles -, lixo industrial, lixo de estabelecimentos de saúde e outros). E desse total nada menos que 59,5% não tinham destinação “adequada”. Ou seja, iam para lixões a céu aberto 146,8 mil toneladas diárias, ou 55,8 milhões dos mais de 90 milhões de toneladas, 90 bilhões de quilos, coletados a cada ano. E o custo da coleta, tomando por base um preço médio de R$ 30 por tonelada, superava R$ 2 bilhões anuais. Fora o custo nos aterros.

Como em praticamente tudo, a situação era muito desigual comparando as regiões do País. No Sul e no Sudeste, mais de 98% das residências eram servidas pela coleta. Já no Norte, apenas 87,5%; no Nordeste, 89,4%; no Centro-Oeste, 96,5%. Nas áreas rurais, onde ainda está quase 20% da população, apenas 17,4% dos domicílios dispunham de coleta. Sem falar no lixo não-domiciliar nessas áreas, que é um dos graves problemas sem encaminhamento em praticamente todo o País - basta lembrar que um boi ou um porco geram algumas vezes mais matéria orgânica que um ser humano em suas fezes; e que esses dejetos são atirados no solo (acidificando-o) e vão para os cursos d’água. E o Brasil tem mais bois (205 milhões) que seres humanos, cerca de 40 milhões de porcos e mais de 1 bilhão de “galináceos”. O projeto da nova política inclui o lixo rural entre as áreas abrangidas, mas sem nenhum encaminhamento específico.

O problema dos custos é central. A política proposta atribui ao gerador de resíduos sólidos urbanos a responsabilidade pelo acondicionamento, a disponibilização para a coleta, tratamento e disposição final “ambientalmente adequada” dos dejetos. Mas sua responsabilidade cessa com essa “disponibilização adequada de seus resíduos sólidos para a coleta”. Ou seja, o projeto não lhe atribui responsabilidade pelos custos da coleta e destinação. E se isso não acontecer, dificilmente se avançará. Os custos continuarão a cargo do poder público, semifalido em toda parte. E não se fará justiça, atribuindo maior custo a quem gera mais resíduos. Nem se estimulará a redução da geração de lixo - que deve ser o primeiro e maior objetivo de qualquer política nessa área. Também não se conseguirá minimizar o drama dos aterros no País (basta lembrar o caso da capital paulista: que se fará no mês que vem com o fechamento do Aterro São João, já que o Bandeirantes também está esgotado e a cidade recicla menos de 1% de seu lixo domiciliar e comercial ?).

Um dos méritos do projeto está em seu artigo 31, ao proibir a importação de resíduos sólidos e rejeitos “cujas características causem danos ao meio ambiente e à saúde pública, ainda que para tratamento, reformas, reúso, reutilização ou recuperação”. Se aprovado, permitirá proibir a importação de pneus velhos para reciclagem, recauchutagem ou reúso - várias vezes já comentada neste espaço Afirma-se que no ano passado entraram no País, graças a liminares judiciais, 15 milhões de pneus velhos, principalmente da Europa e do Uruguai.

Também será preciso ver como se encaminhará a questão dos milhares e milhares de famílias que sobrevivem da catação de resíduos em aterros ou lixões, já que o projeto proíbe essa atividade “nas áreas de disposição final”, assim como impede que tenham ali suas casas. Vai-se despejá-las? Será preciso, no mínimo, prover habitação, integrá-las às cooperativas de catadores, que, pelo projeto, terão tratamento preferencial. Dando seqüência até ao decreto presidencial do ano passado, que tornou obrigatória a coleta seletiva em órgãos públicos federais e a destinação dos resíduos às associações e cooperativas de catadores, bem como à abertura de uma linha de crédito especial para elas no BNDES. Seria oportuno também revigorar a portaria do governo anterior que isentava de impostos as vendas de plásticos pelas cooperativas a recicladoras - mas que, estranhamente, foi revogada no atual governo.

Será decisivo que a sociedade abra uma discussão sobre o tema. E faça sentir no Congresso Nacional a sua força. Para que o tema não fique exposto demais aos lobbies conhecidos.

Texto de Washington Novaes no Jornal O Estado de São Paulo de 14/09/07

CPMF a mentira

Governo aprova CPMF inalteradaAlíquota de 0,38% da contribuição é prorrogada até 2011 pela comissão especial; texto vai a plenário

MENTIRA!Enquanto as pessoas morrem nas portas dos hospitais por falta de atendimento médico o governo ilude a população dizendo que precisa do dinheiro para manter a sáude funcionando.
Esse dinheiro será usado para pagar os juros aos banqueiros, para bancar os "renans e suas vacas", para bancar os outros sanguessugas, os vampiros da saúde.

ENGANAR, ILUDIR

Já enforcaram e esquartejaram um ancestral meu que dizia que o dinheiro dos impostos seria melhor aproveitado pelo contribuinte e não pelos mercenários que habitam nossas cortes.

NÃO IMPORTA O NOME DO IMPOSTO: EU SOU CONTRA.

Sabe por que se chama IMPOSTO???

IMPOSTO, vem do verbo impor = tudo aquilo que você não concorda e é obrigado a fazer.
No caso roubar uma parte do seu suado trabalho para manter os mercenários da corte.


Conforme o Aurélio o verbo impor também é: enganar, iludir.

Iludidos são aqueles que acreditam que algum imposto "não importa o nome" fará algum bem à comunidade, pois os mercenários de plantão que ocupam as cortes só nos enganam.

Mortalidade infantil caiu 48% em 15 anos no Brasil

Unicef diz que mortalidade infantil caiu 48% em 15 anos no Brasil O Brasil conseguiu reduzir a mortalidade entre crianças menores de cinco anos em 48% entre 1990 e 2005, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira pela Unicef.

A taxa de mortalidade infantil nesta faixa caiu de 59,6 para 31,1 por mil nascidos vivos durante o período.

Segundo o Unicef, isso significa que foi evitada a morte de mais de 20 mil crianças nos últimos cinco anos. Para alcançar a meta do milênio, o Brasil se comprometeu a diminuir a taxa em dois terços até 2015, de acordo com o Unicef.

De acordo com o a instituição, a região América Latina e Caribe chegou a uma taxa de 27 mortes por mil nascidos vivos, contra 55 em 1990. Já nos países desenvolvidos, taxa está em seis por mil nascidos vivos.

O Unicef atribuiu os resultados a ações e políticas, como aleitamento materno, suplementação da vitamina A e vacinação. No mundo, segundo o organismo internacional, foram 9,7 milhões de mortes de crianças até 5 anos em 2006, contra quase 13 milhões em 1990. Do total no ano passado, 4,8 milhões correspondem à África ao sul do Saara e 3,1 milhões correspondem à Ásia Meridional.

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

1.842 crianças vivem nas ruas de SP

Segundo pesquisa, 55% estão a trabalho

Em São Paulo, 1.842 crianças e adolescentes trabalham ou vivem nas ruas. Este é o resultado da pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), encomendada pela Prefeitura. O número fica bem abaixo da última estimativa da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads), do ano de 2005, que era de 4.030 crianças e adolescentes nessa situação. Porém evidencia que a maior parte deles, 1.040, ainda está na rua para conseguir algum dinheiro. Os outros 802 realmente não têm para onde voltar no final do dia.Esta é a primeira vez que a Prefeitura contrata uma fundação para fazer um censo das crianças com metodologia acadêmica. 'O que tínhamos antes era uma contagem feita por supervisores e o monitoramente de 180 principais cruzamentos da cidade', explicou o secretário de Assistência e Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro. A metodologia da Fipe funciona como um retrato da situação.No dia 18 de junho de 2007, às 16h, dezenas de pesquisadores saíram pelas diversas regiões da cidade buscando crianças e adolescentes de rua. O dia foi foi escolhido com calma, de acordo com o secretário, pois houve preocupação com o clima (não poderia estar muito frio) e com o horário de pico de crianças nas ruas, das 16 às 20 horas. 'Foi feito tudo no mesmo dia para não ter o problema de contar a mesma criança duas vezes', explica o secretário.Apenas em quatro das 31 subprefeituras nenhuma criança foi encontrada na rua: Cidade Ademar, Perus e Parelheiros, na Zona Sul, e Cidade Tiradentes, na Leste. A maior concentração, porém, está no Centro - 42% (774) encontram-se nessa região. A Zona Sul é a segunda com maior número de crianças nas ruas. Em Santo Amaro, por exemplo, estão 6,1% das crianças e adolescentes. Em terceiro lugar, está a Leste, com maior concentração no Itaim Paulista (2,5%).As 1.040 crianças e adolescentes que apenas trabalham nas ruas têm como principal fonte de renda a venda de produtos, como balas, chocolates e chicletes - são 55,9% nesse caso. Outras 21,6% prestam algum tipo de serviço, de lavar pára-brisas e engraxar sapatos a malabarismo nos semáforos; 15,6 % pedem esmolas. É justamente nesta categoria que algumas características são determinantes para se obter esmola. Os pesquisadores da Fipe constataram que conforme as crianças crescem, a capacidade de sensibilizar as pessoas é menor. Assim, 70% dos que pedem esmola têm menos de 12 anos de idade.'É disso que as pessoas precisam se conscientizar: não pode dar esmola ou comprar produtos porque elas estão contribuindo para que essa situação se perpetue. Cria-se uma cultura de que realmente não precisa estudar ou trabalhar, porque ali, no cruzamento, ela se sustenta', diz o secretário. 'Quem paga o preço somos todos nós.'A estimativa da secretaria é que o trabalho nas ruas e a esmola movimentam cerca de R$ 25 milhões por ano em São Paulo.

Reportagem de CAMILLA RIGI, camila.rigi@grupoestado.com.br

Conhecer o número de menores e saber que este número é bem menor do que se imaginava, já é um começo de solução, como não são milhões de menores abandonados é possível trabalhar o problema, dar casa, comida, roupa lavada, educação e carinho para esses menores é possível e se é possível podemos começar a trabalhar.
Mãos à obra.

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Crianças viviam em buraco na terra

Na maior cidade do pais acontecem coisas muitas estranhas: a riqueza extrema que convive com a miséria absoluta. O luxo escancarado e até ostensivo e insultuoso convive com a mais com a miséria extrema.
Atendendo denúncia de transeuntes, os comissários de menores da Vara de Infância foram até uma favela que fica ao lado de um córrego para conferir a veracidade da denúncia.
O córrego é formado por um leito canalizado artificiamente onde onde corre esgoto, onde deveria correr água com com lambaris, tilápias, carás.Ao chegarem no local indicado, os comissários encontram um garoto de aproxidamente 10 anos dentro de um buraco onde hávia alguns utensilios de cozinha, alguns cobertores e algumas roupas, cada um no seu canto, mas tudo amontoado e desorganizado. O garoto de cor negra estava sujo, muito sujo, sua roupas até que nem tanto, mas também bastante sujas, quanto ao corpo do garoto... suas pernas pareciam que haviam sido engraxadas com graxa de sapato e aparentemente estava drogado. Em seguida aparece uma senhora negra de aproxidamente trinta anos com cicatrizes pelo rosto, braços e pescoço, provavelmente adquiridas em briga com faca ou algo cortante. Esta senhora trazia nos braços um garoto de 01 ano de idade. O estado de limpeza dos dois era bastante parecido com o garoto que já estava no buraco.Os comissários então explicaram a esta senhora que deveria comparecer no Juizado de Infância pois o juiz queria falar com ela.
Pelo que foi apurado o garoto de 10 anos não é filho da mulher e que apenas vivia com ela. Quanto ao menino de 01 ainda amamentava e está bem nutrido.Em São Paulo, mesmo vivendo na mais absoluta miséria é possível comer o suficiente para se manter razoalvente nutrido, essas pessoas viviam da caridade alheia e também dos restos encontrados no lixo.
Restos de feira, restos de padaria, não falta comida para quem tem fome e os comerciantes raramente negam um prato de comida ou um lanche a quem pede.

Cumprindo o que o bom senso de qualquer cidadão e o que a lei determina, os meninos foram encaminhados para um abrigo do governo onde terão uma vida mais digna.
Vida digna, porém sem a presença da mãe por quem o menino de 01 chorou.
Vida digna, porém sem a presença da amiga que o menino de 10 anos perdeu.
Quanto à senhora, ela retornou ao seu buraco onde passará seus dias se consumindo no álcol e nas outra drogas e provavelmente em breve arranje mais uma criança para ser abrigada.

Eu fico indignado com tantos exclusão, tanto contraste entre ricos, pobre e miseráveis.
Essa senhora não teve no início de sua vida uma família bem estruturada que pudesse mostrar a ela o caminho da escola, da sabedoria de vida, da possibilidade de construir seu próprio e próspero caminho, teve uma família semelhante a esta que tentou construir e que agora foi desfeita.

Esta senhora e seus dois meninos são uma vítima de séculos de escravidão e de um século e meio de liberdade em que os escravos foram banidos das fazendas sem nada, sem um centavo de dinheiro, sem um centímetro de terra, sem saber ler e escrever uma letra do alfabeto.

Torço muito para que os programas de assistência social alcancem estas pessoas, para que possam ser encaminhadas à escola, aprendam uma profissão e comecem a se libertar desta escravidão que é a MISÉRIA.

segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Banqueiros defendem seu ganha pão

Os banqueiros continuam defendendo seus interesses, estão informando ao Banco Central, que na próxima reunião do COPOM, que querem que os juros não baixem muito, aceitam no máximo uma queda de 0,25%.

Então tá, se eu tivesse poder diminuiria 5,00%, como eles tem poder exigem que a queda seja de apenas 0,25%. Enquanto isso, nós pobre mortais continuaremos pagando juros escorchantes, juros que acabam sendo pagos com impostos, impostos que já somam 40% de tudo aquilo que ganhamos.

Doença brasileira, um problema real?

Como a economia brasileira corre o risco de se tornar vítima de seu próprio sucesso

Até poucos anos atrás, quando os mercados de crédito internacionais esfriavam, o Brasil era um dos primeiros a pegar um resfriado. Nas crises mexicana, russa e asiática dos anos 90, o país sul-americano rapidamente seguiu seus pares emergentes na turbulência. Quando foi forçado a desvalorizar sua própria moeda em 1999, seus ativos despencaram de tal forma que o banco central teve que elevar a taxa de juros a 45% ao ano para sustentar o real.Hoje, o Brasil está altamente protegido por elevadas reservas de moeda estrangeira, baixa dívida externa e saudáveis superávits em conta corrente.O crescimento econômico está acima de 5% ao ano, mais do que o dobro da taxa média das últimas duas décadas. O crédito e a demanda doméstica estão passando por um boom à medida que milhões de brasileiros pobres se tornam consumidores pela primeira vez.O país, ao que parece, nunca contou com saúde tão robusta. Por que, então, há tanta conversa sobre a "doença brasileira"?Como a chamada doença holandesa que atingiu a Holanda nos anos 70, quando as exportações do gás natural recém-descoberto provocaram tamanha valorização da moeda a ponto de destruir a competitividade do restante da economia, o equivalente brasileiro ameaça transformar o país em vítima de seu próprio sucesso.A balança comercial do Brasil passou por uma transformação desde os anos 90, quando restrições às importações foram reduzidas e a alta inflação foi vencida. Após anos de déficits, o país saiu do vermelho em 2001. Desde então, os superávits têm aumentado ano a ano, de US$ 2,7 bilhões em 2002 para US$ 46 bilhões no ano passado. Apesar da exportação de bens manufaturados ter aumentado, o verdadeiro impulso veio das commodities.Valorização do real Enquanto isso, a moeda tem se valorizado constantemente. Do ponto mais baixo de R$ 3,95 frente ao dólar americano em outubro de 2002, o dólar atingiu R$ 1,84 em 23 de julho, antes do estouro da crise das hipotecas de risco americanas. Ele agora vale cerca de R$ 1,95.Mas a moeda mais forte, ao tornar os bens brasileiros menos competitivos, tem provocado protestos de muitos na indústria. O risco, eles dizem, é que os empregos melhor remunerados em setores de capital intensivo e outros tradicionais sejam substituídos por pior remunerados no setor de commodities."Nós estamos sofrendo uma pressão incrível", disse Jorge Faccioni, um líder empresarial de Novo Hamburgo, no Estado do Rio Grande do Sul, onde a economia local depende das indústrias têxtil, de calçados e metalúrgica. "Se isto continuar, nós veremos uma desindustrialização do Brasil.""A doença brasileira é boa para setores primários e ruim para os de valor agregado", disse Luiz Carlos Mendonça de Barros, um ex-ministro e atual administrador de fundo hedge em São Paulo, que foi um dos primeiros a diagnosticá-la.A valorização da moeda significa que muitos setores manufatureiros que antes exportavam para o leste da Ásia, por exemplo, agora estão construindo fábricas lá. "Não há mais qualquer estímulo para buscarmos novos clientes no exterior exportando do Brasil", disse Oscar Becker, diretor financeiro da Iochpe-Maxion, com sede em São Paulo, uma das maiores fabricantes de autopeças e uma fornecedora global para a indústria.A empresa está construindo uma fábrica para produzir rodas na China no próximo ano. Becker disse que espera fazer com que a Iochpe-Maxion reconquiste os clientes asiáticos que perdeu à medida que a valorização da moeda minava sua competitividade. "A moeda teve um impacto imenso, tem sido muito complicado para nós", ele disse. "Eu espero não chegarmos ao ponto em que teremos que fornecer ao mercado brasileiro a partir do exterior."Isto, muitos argumentam, é o sintoma clássico da doença brasileira. Suas causas também são fáceis de avistar. Na Companhia Vale do Rio Doce, a maior produtora de minério de ferro do mundo, a receita cresceu de US$ 4,1 bilhões em 2001 para US$ 13,4 bilhões em 2005, US$ 20,4 bilhões em 2006 e US$ 16,6 bilhões apenas na primeira metade de 2007, estimulada pela demanda da China. A agricultura também passa por um boom. O Brasil no momento é o maior exportador de carne do mundo, por exemplo, uma força poderosa na soja, milho e algodão, além das exportações tradicionais como açúcar, café e suco de laranja.Investimentos Mas o aumento das exportações não é o único fator por trás da valorização da moeda. O Brasil, com sua recém-encontrada estabilidade, se tornou altamente atrativo para investidores e emprestadores. A quantidade de dinheiro que flui para ações e títulos brasileiros teve um impacto ainda maior sobre o real que o comércio.Tal fato por si só, talvez, deveria levantar uma bandeira de alerta sobre a estabilidade futura. Banqueiros de investimento não vêem nenhuma diminuição no ritmo do investimento. Mas outros alertam para uma futura mudança no sentimento. "Parece que os investidores compram qualquer coisa", disse um alto funcionário do governo. "Eles precisam se tornar mais seletivos. Nós realmente estamos entrando em uma bolha."Grande parte do dinheiro que entra no Brasil na forma de dívida -quase US$ 19 bilhões no ano passado- tem sido usado para alimentar o consumo. Apesar da proporção do crédito em relação ao produto interno bruto (PIB) permanecer baixa, ela avançou de 25% do PIB, em 2002, para 35% no ano passado, podendo chegar a quase 38% no final deste ano.Os mercados de capital ganharam vida. Após anos de estase total, o número de ofertas públicas iniciais na Bolsa de Valores de São Paulo tem sido de uma por semana.Um exemplo é a Friboi, um frigorífico, que em uma década ascendeu do submundo da economia informal brasileira -onde os trabalhadores não são registrados ou parte de seus salários é pago sem registro, onde poucos impostos são pagos, quando são- à estar listada na Bolsa de Valores de São Paulo. Dois meses após sua oferta inicial em março, ela anunciou a compra da Swift dos Estados Unidos por US$ 1,4 bilhão, o que a tornou o maior frigorífico do mundo."Você pode transformar sua indústria ou seu negócio", disse Walter Molano da BCP Securities, uma corretora de Connecticut. "O empreendedor econômico não é um idiota. Eles estão mudando a paisagem industrial."Ainda não se sabe se tal mudança será para melhor ou -à medida que empregos braçais e de baixa qualificação substituirem empregos qualificados melhor remunerados- para pior. "O que determinará para que lado o pêndulo oscilará é o dinamismo do mercado doméstico", disse David Kupfer, um especialista em indústria e concorrência da Universidade Federal do Rio de Janeiro. "E isto realmente depende se teremos ou não as políticas governamentais necessárias para alimentar o processo."Impostos e cargos públicos em excesso Empresas por toda a economia se queixam muito sobre a moeda. Mas um simples arranhar da superfície revela que a moeda valorizada não causou tantos problemas, mas sim revelou problemas que estavam mascarados quando a moeda desvalorizada trabalhava a seu favor.O pagamento de impostos, por exemplo, é complicado e caro. O fardo tributário, em cerca de 35% do PIB, é muito maior do que o de outros mercados emergentes e desproporcional à baixa qualidade dos serviços oferecidos.Um motivo é que o governo colocou sua casa fiscal em ordem aumentando impostos em vez de reduzindo gastos. De fato, os gastos do governo estão aumentando à medida que o Estado oferece generosos aumentos salariais aos funcionários públicos e contrata, em vez de demitir, trabalhadores. O número de pessoas que se candidatam a empregos vitalícios no setor público nunca foi tão grande. Enquanto isso, as leis trabalhistas do Brasil permanecem altamente restritivas; para o empregadores do setor privado, o pagamento da previdência social e outras contribuições custa de 60% a 100% do valor da folha de pagamento.Mas a maior queixa dos empresários atualmente é a baixa qualidade e alto custo da infra-estrutura do país e o fracasso do governo em fornecer regras claras para investimentos privados no setor de infra-estrutura. "Mostre-me algo em que eu possa investir", disse Marcelo Mosci, chefe das operações latino-americanas da General Electric, em São Paulo. "O governo precisa regulamentar. Se não o fizer, nós veremos o colapso da competitividade."O governo anunciou planos ambiciosos de gastos em infra-estrutura e diz defender uma reforma tributária -apesar da reforma trabalhista parecer não estar em sua agenda. Mas à medida que se aproxima o final do primeiro ano de seu segundo mandato de quatro anos, pouco progresso foi feito."Nosso maior problema é sistêmico", disse Kupfer. O mal estado da infra-estrutura de transporte e energia, ele disse, "gera custos mais altos (para as empresas) quando estes deviam estar caindo. Nós precisamos de mudanças na política do governo para gerar investimento."Os horizontes se abrem no interiorSeguindo para leste de Cuiabá, no Estado do Mato Grosso -onde uma grande placa verde indica aos visitantes que chegaram ao centro geodésico da América do Sul- uma estrada ruim e esburacada cruza uma planície fluvial antes de subir um escarpamento acentuado. Acima dele se encontra um cruzamento de onde sai uma estrada secundária que rodeia pelo platô até Campo Verde."Não havia nada lá há 20 anos", disse Arno Schneider, um dos muitos fazendeiros pioneiros que vieram do sul do Brasil para o Mato Grosso nos anos 70. "Então alguns de nós começaram a usá-lo como local de encontro para entrar no mercado."Hoje, Campo Verde se ergue como uma miragem entre os campos de soja, com seus silos de aço reluzindo sob o sol. Uma ampla avenida central é margeada pelos depósitos das maiores empresas de commodities do mundo. Atrás deles se encontram ruas com comércio, casas e pequenas empresas. Se espalhando pelo gentil vale ao norte se encontram amplos novos projetos habitacionais.Dimorvan Brescancin, um ex-diretor de faculdade que atualmente é o prefeito da cidade, disse que o boom das commodities fará a população local crescer dos quase 30 mil atuais para 100 mil em 2020. Mas em vez de atrair mais agricultores para o cultivo de mais produtos -toda terra arável do município já é usada- ele quer adicionar valor às commodities. "Nosso futuro depende da verticalização", ele disse.A Sadia, a maior processadora de carnes do Brasil, já conta com granjas e uma fábrica de ração na cidade. A empresa já colocou Campo Verde em uma lista curta de possíveis locais para receber uma fábrica de processamento de aves e outras instalações, que criariam 3.000 empregos diretos e 9.000 indiretos com um investimento de R$ 200 milhões.Apesar da Sadia ainda não ter decidido entre Campo Verde e outros locais para sua nova fábrica, ela prossegue com seu plano de construir fábricas de processamento de aves e suínos e uma fábrica de ração em Lucas do Rio Verde, também no Estado do Mato Grosso.Expansão das exportações A Sadia também está expandindo para o exterior e recentemente ingressou em uma joint venture com sua distribuidora russa, a Miratorg, para produzir, entre outras coisas, nuggets de frango para os restaurantes McDonald's, tornando-a a primeira fornecedora global não-americana da rede. Produtos processados e cortes de valor agregado -por exemplo, filés com peso preciso para o mercado japonês- compõem uma fatia cada vez maior de suas vendas.A empresa diz que muitas modificações fazem parte de uma mudança global mais ampla em seus mercados. "Na próxima década nós veremos uma nova ordem na qual o comércio tradicional norte-sul perderá parte da força e o comércio sul-sul se tornará mais importante", disse José Augusto Lima de Sá, o diretor de relações internacionais da Sadia.A Perdigão, a maior concorrente da Sadia, também expandiu tanto em casa quanto no exterior. Neste ano ela comprou a Plusfood da Holanda e abriu uma fábrica no Brasil para produção de carnes processadas apenas para exportação. "Nossa estratégia é aumentar consistentemente a parcela de produtos de valor agregado em nossa relação de produtos", disse Nelson Vas Hacklauer, o novo diretor de negócios. "Estes são mercados voláteis e dispor de mais valor agregado gera uma renda mais constante."O aumento de tais exportações está ajudando a criar dezenas de milhares de novos empregos. Mas há riscos. Um é o de que os novos empregos nas áreas rurais no processamento de aves está ocorrendo às custas de empregos melhor remunerados em setores urbanos, tradicionais.Outro é o fato das exportações de bens de valor agregado estarem ameaçadas pela valorização da moeda, que tem trabalhado contra os preços internacionais mais altos das commodities, reduzindo os lucros dos produtores rurais. "Se isto continuar, nossos produtores começarão a enfrentar sérios problemas e poderão deixar o mercado", disse Vas Hacklauer, da Perdigão.

Texto de Jonathan Wheatley no Financial Times de 03/09/07
Tradução: George El Khouri Andolfato

sábado, 1 de setembro de 2007

Programa de Inclusão leva mais estudantes negros e pobres à USP

Inclusp dá pontos adicionais no vestibular da Fuvest a alunos de escolas públicas, sem distinção de renda ou cor

O programa de inclusão da Universidade de São Paulo (USP), que começou a funcionar neste ano, aumentou em 9,5% o número de negros matriculados na instituição. O Inclusp, como é chamado, dá pontos adicionais na nota do vestibular da Fuvest para alunos de escolas públicas, sem distinção de renda ou cor. “O resultado mostra que o programa é uma alternativa ao sistema de cotas”, diz a pró-reitora de graduação da USP, Selma Garrido Pimenta.As cotas existem atualmente em 16 das 57 universidades federais, mas sempre houve muita resistência a uma eventual reserva de vagas na USP. A maior universidade do País, no entanto, também sofria pressão para aumentar o número de alunos carentes e negros, que representavam apenas cerca de 20% do total. O Inclusp foi lançado no ano passado - inspirado em experiência semelhante da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) - e tinha o objetivo de mostrar que poderia haver inclusão sem cotas.Os resultados indicam também que 76,4% dos estudantes de escolas públicas matriculados neste ano têm renda familiar inferior a R$ 3 mil. A maior parte deles (39,5%) vem de famílias com renda entre R$ 500 e R$ 1.500. Só 3,7% desses alunos têm renda familiar acima de R$ 7 mil. Isso ocorre apesar de as escolas públicas que mais aprovam estudantes na Fuvest não estarem em zonas periféricas e pobres, como o Estado mostrou em reportagem no início do mês.“Fica nítido que o aproveitamento nas aulas dos alunos que vieram de escolas públicas é menor, incluindo o meu”, diz Jaqueline Saes, de 21 anos, aluna do primeiro ano de História da USP. A renda da família - que inclui ela, a mãe e a avó - é de R$ 2 mil. Jaqueline conta que trabalha em uma farmácia há três anos e teve de estudar muito aos finais de semana para conseguir ser aprovada. “As pessoas achavam que eu não tinha chance de entrar na USP e agora se espantam por eu estar aqui”, diz, sobre os colegas de faculdade.A USP não divulgou o porcentual de alunos de renda baixa entre o total de matriculados em 2007, beneficiados ou não pelo Inclusp. O site da Fuvest mostra as estatísticas apenas até 2006. Elas indicam que, tradicionalmente, cerca de 40% dos aprovados vêm família com renda de até R$ 3 mil.PRETOS E PARDOSNo ano passado, entraram na USP 1.227 alunos negros (pretos e pardos). Neste vestibular, foram 117 a mais. O número representa atualmente 13,4% dos estudantes da universidade. O porcentual de brancos ingressantes caiu de 77,1% para 76,6%. “Indiretamente, quando se ajuda o pobre, o negro é beneficiado”, diz o aluno do primeiro ano de Química da USP, Arcelino Bezerra da Silva, de 21 anos. Ele é negro e estudou em escola pública. O Inclusp - que dá bônus de 3% na nota dos estudantes de escolas públicas - aumentou em 17 pontos o desempenho de Silva na Fuvest.“Os mecanismos dessa ação afirmativa ainda mantêm a exclusão dos pretos e pobres”, acredita Douglas Belchior, coordenador da ONG Educafro, que administra cursinhos para alunos carentes. Ele defende que a USP adote um sistema de cotas, beneficiando tanto negros quanto carentes. “A Fuvest usa a meritocracia e privilegia alunos que tiveram mais oportunidades nas escolas particulares.”Segundo os dados mais recentes da universidade, o Inclusp aumentou em 11% o número de estudantes de escolas públicas na instituição. Eles representam atualmente 26,7% do total de alunos.De acordo com Selma, a partir de 2008 todos os novos matriculados na USP deverão obrigatoriamente responder a um questionário socioeconômico para que as informações sobre a totalidade dos alunos sejam mais precisas. Hoje, só alunos que precisam de bolsas fornecem esse tipo de informação à instituição.NOTASOs números da USP mostram também que os alunos de escolas públicas aprovados tiveram média de 37,01 (em 100) na prova da primeira fase da Fuvest, considerada baixa. A média de todos os cerca de 150 mil candidatos da Fuvest em 2006, por exemplo - aprovados ou não aprovados - foi superior: 41,39.Entre os matriculados na USP, independentemente de terem estudado em escolas públicas ou não, as médias também costumam ser mais altas. No curso de Administração, por exemplo, em 2006, a média dos matriculados foi de 70,5 pontos na primeira fase. Os alunos de História e de Letras tiveram média de 62,2 e 56,6, respectivamente.

Reportagem de Renata Cafardo no Estado de São Paulo de 01/09/07