Seguidores

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Feliz ano novo, em 2.023!

As armas nucleares engatilhadas para cair sobre Brasília e São Paulo e talvez, mais terrível ainda: a invasão do sagrado solo brasileiro por cinquenta milhões de soldados com olhos repuxados.
O tilintar das taças com suco de laranja natural (¹) comemoram o alvorecer do alvissareiro ano de 2023 e mais uma vez a nação brasileira espera ter encontrado a pessoa certa pra dirigir os destinos da nação, infelizmente menor, sem a "Raposa do Sol". (²)
Após exaustiva campanha eleitoral on-line e corpo-a-corpo, a coligação oposicionista chega ao poder com nova proposta de moralização, desenvolvimento e uso correto das riquezas nacionais, "O Brasil para os Brasileiros" promete revogar o acordo que deu à China o direito de explorar nossas riquezas.
Os governantes que hoje entregam o poder fizeram acordos até com "Judas", com perdão da má palavra, até com a China (3), para cobrir as despesas faraônicas das festas da COPA 2014 e a OLIMPÍADAS 2016. Estes acordos bancaram a alegria geral que anestesiaram a maioria dos eleitores, que elegeram pela quarta vez o governante que agora se despede o Sr. Lula.
Este é segundo maior período de comando dos destinos nacionais por um grupo de pessoas, antes só os militares tinham conseguido tal façanha, noves fora D. Pedro II no Império.

Como isto foi possível?
Vou tentar resumir.

Tudo começou em 2009 e 2010.
Na eleição presidencial de 2010 a antiga oposição vacilou, ...., vacilou até o último instante enquanto o governo fechava acordos com a maioria dos partidos e garantiu o maior tempo de exposição na mídia e também conseguiram o controle de comitês eleitorais em todos municípios brasileiros. A antiga oposição com pouco tempo de exposição nos meios de comunicação e sem uma mensagem capaz de empolgar multidões, apenas deu um lustro democrático ao mandato tampão entre o primeiro e segundo "reinado" lulista.

2014 ano da Copa no Brasil, a proximidade da Olimpíada, o recall do primeiro reinado lulista e muita promessa, muita promessa e ponham promessa nisto, sobre as maravilhas do pré-sal não deram a menor chance à oposição...

Em 2018, mais uma vez a lembrança das festas da Copa, da Olimpíada, a benesse governamental chamada bolsa-família agigantada "compraram" os votos da maioria dos eleitores.

Passada a euforia da quarta eleição, chegou o momento de pagar a fatura.
E a fatura foi amarga, chegou a hora de a onça beber água, ou seria mais correto dizer: o dragão vomitar fogo.
A salvação da pátria pelo banho no ouro-negro que brotaria das entranhas da terra, o petróleo que estaria dormindo debaixo do sal, não aconteceu, pois as reservas são menores que o especulado e portanto insuficientes para matar a fome, a sede, a ganância dos vendilhões e compradores da pátria.
Como eu já havia me referido, o financiamento das despesas da Copa, da Olimpíada e a compra dos votos através de benesse aos eleitores, foi bancado pelos chineses, que gentilmente pagaram tudo em troca da entrega futura do petróleo a preços irrisórios.
Toda negociata foi mantida em "segredo de estado" e somente, quando não era mais possível esconder, o governo tentou denunciar o acordo, no mesmo estilo das republiqueta sul-americanas, todos se recordam do exemplo boliviano do Evo Morales, que assinam acordos e não cumprem. Os acontecimentos que se seguiram seriam cômicos se não fossem trágicos.
Os chineses mostraram por que são a maior economia do planeta, mostraram o tamanho do tacape, as armas nucleares engatilhadas para cair sobre Brasília e São Paulo e talvez mais terrível ainda: a invasão do sagrado solo brasileiro por cinquenta milhões de soldados com olhos repuxados.

A visão apocalíptica dos cogumelos nucleares em solo brasileiro despertou o povo heróico, que dormia em berço esplêndido!
Enfim a oposição conseguiu um tema com apelo popular: nos 200 anos da Independência brasileira do jugo português, a Independência do jugo chinês.
.
Notas de rodapé
(1) Em 2023 não é politicamente brindar com bebida alcoólica.
(2) O enclave mineral "Raposa do Sol" se proclamou independente do Brasil, foi imediatamente reconhecido pelas Nações Unidas e logo em seguida assinaram Acordo de Cooperação com a China, onde a China se compromete a fornecer todos os produtos industrializados, que os índios necessitarem e eles os chineses ainda tem o trabalho de escavar o solo para procurar os minerais que pagam a produtos comprados pelos indígenas.
(3) O início do acordo entre o Brasil e China foi celebrado ainda em 2009 durante viagem do presidente brasileiro àquele país.

Crônica de José Geraldo da Silva

Posfácio: Exageros à parte, é incrivel como um ato, um voto, pode mudar os destinos da nação.

3 comentários:

  1. HAHAHA...mto bom!!!te cuida Spilberg que meu pai tá na área!!!

    André

    ResponderExcluir
  2. esse blog é uma paródia do Hariprado, só pode ser!!

    ResponderExcluir
  3. 1 - Como eu previa, o lulopetismo venceu a eleição em 2014
    2 - Felizmente a Raposa do Sol continua sendo brasileira
    3 - Em 2009 não era possível prever que o povo sairia às ruas para protestar contra o governo e talvez abrevie o reinado do lulopetismo
    4 - Quando escrevi este artigo o governo brasileiro havia tomado dinheiro emprestado do governo chines para agora novamente a Petrobrás pegou mais dinheiro do governo chinês, as condições de tais empréstimos não são divulgadas, mas tudo leva a crer que o pagamento será feito com o óleo do pré-sal
    Editorial de hoje do jornal O Estado de São Paulo descreve os perigos de tais empréstimos
    http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,o-que-significa-o-socorro-chines-imp-,1663580

    ResponderExcluir