Seguidores

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Omissão amazônica

EM SETEMBRO, quando discursou perante a Assembléia Geral da ONU, o presidente Lula alardeava a redução do desmatamento na Amazônia a menos da metade em seu governo. Usou para isso dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que monitora o corte da floresta desde a década de 1980. A mesma instituição que agora critica, por anunciar um câncer antes de fazer a biópsia, segundo suas palavras.
O presidente se referia à informação de que entre agosto e dezembro pereceram 7.000 km2 de mata, de acordo com as imagens de satélite analisadas pelo Inpe. Um sinal claro de que o desmate voltou a subir (e de maneira acentuada em novembro e dezembro, meses mais úmidos, quando em geral não se desmata). Como previam, de resto, todos os especialistas, diante da rentabilidade revigorada da pecuária e da sojicultura, à qual se soma estiagem mais prolongada.
Ainda que transferindo as metáforas do campo familiar ou esportivo para o da clínica, Lula se equivoca. Não lhe cabe censurar a conduta de cientistas, pois estaria obrigado a fazê-lo também quando a divulgação dos dados lhe agrada. Já foi o tempo em que informações do Inpe se prestavam a manipulação.
O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, ao qual se subordina o Inpe, saiu em defesa do órgão, dizendo que ninguém criticava os dados enquanto o desmate caía. Reagia não ao presidente, mas a Blairo Maggi, sojicultor e governador de Mato Grosso (onde ocorreram 54% da devastação), que questionou a metodologia do instituto.
Maggi defende o ponto de vista dos produtores, em geral insensíveis ao problema ambiental. Ao chamá-lo de "parceiro" e inocentar o agronegócio de modo precipitado, Lula preferiu palavras ociosas de contemporização a novas ações para controlar o desmatamento. Omitindo-se, colherá dados mais alarmantes do Inpe até o final do ano.

Da Folha de São Paulo de 01/02/08

Ouça o comentário de José Neumani Pinto da rádio Jovem Pan do dia 01/02/08
http://jovempan.uol.com.br/jpamnew/opiniao/comentaristas/comentaristas_all.php?id=12&last_id=36437&act=sim

Nenhum comentário:

Postar um comentário