Seguidores

domingo, 15 de junho de 2008

Elas no poder

Eliane Cantanhêde escreve sobre "Elas"

As mulheres no poder estão destroçando a percepção popular de que podem ser mais responsáveis e confiáveis. Uma pena.


Em 2002, as pesquisas políticas indicavam que as mulheres eram consideradas mais responsáveis, confiáveis e principalmente honestas. O céu era o limite para as candidaturas femininas e veio a de Roseana Sarney, embalada por uma bonita campanha publicitária, cabelos ao vento. Mas o vôo foi meteórico, derrubado pelo mal explicado caso Lunus. Roseana (MA) foi a primeira mulher eleita (e reeleita) para um governo de Estado, assim como Maria Luiza Fontenelle, de Fortaleza, foi para uma prefeitura da capital, e Luiza Erundina, para São Paulo.

Agora, as mulheres estão em todas. Rosinha Garotinho (RJ) governou um dos principais Estados, Wilma de Faria (RN) é veterana, Ana Júlia Carepa (PA) e Yeda Crusius (RS) eram promissoras. Marta Suplicy foi prefeita de São Paulo e é candidata a voltar, há três jovens guerreiras disputando em Porto Alegre, e Heloísa Helena (AL) foi candidata à Presidência. Um avanço enorme em duas décadas. E o que acontece? O filho de Wilma de Faria está preso, Rosinha é fonte de escândalos, uma fita gravada desintegra o governo de Yeda, e Ana Júlia, em outra escala, vive pisando na bola. É constrangedor.

Nesse ambiente, Dilma Rousseff surge como candidata de um presidente fortíssimo, alçada pela fama de competente e enérgica. Mas também capaz de conviver com dossiês contra adversários políticos, desprezar as leis para salvar empresa falida e de ter como braço-direito Erenice Guerra, a dos fins que justificam os meios. As mulheres no poder (não todas, claro) estão destroçando a percepção popular de que podem ser mais responsáveis e confiáveis. Uma pena.

O Brasil foi dos militares para os civis de direita, adernou para o centro, chegou à esquerda e testa as mulheres, com sucessivas decepções. O tão politizado e rico Rio Grande do Sul é um bom exemplo. E está como está.

Depois das mulheres, o que falta tentar?


Texto de Eliane Cantanhêde na Folha de São Paulo de 15/07/08
Formatado por José

Nenhum comentário:

Postar um comentário