Seguidores

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Ascensão pelo trabalho

Desde outubro de 2002, cerca de 20 milhões de brasileiros com mais de 16 anos ascenderam das classes D e E para a C. Entre outubro de 2002 e junho de 2006, 6 milhões de pessoas fizeram essa transição. Nos últimos 17 meses (de julho de 2006 a novembro passado), a travessia envolveu cerca de 14 milhões de brasileiros.
Os resultados auspiciosos foram captados pelo Datafolha. O critério de classificação utilizado retrata o perfil de consumo das famílias -não reflete necessariamente uma melhora no nível de renda. Os valores são obtidos por uma pontuação atribuída de acordo com a qualidade e a quantidade de bens na residência dos entrevistados.
Os dados indicam que o processo de transição da classe D/E para a C foi impulsionado, num primeiro momento, pela expansão dos programas sociais e da renda oriunda da Previdência. Na fase recente, contudo, a recuperação do mercado de trabalho e a do crédito foram os elementos que empurraram mais brasileiros para situação de maior conforto. Apenas uma crise externa será capaz de tirar a economia desse trilho no curto prazo.
Está demonstrada a eficácia das políticas de crescimento. Programas assistenciais desempenharam papel importante, ao assegurar um mínimo de poder de compra às classes mais vulneráveis durante os anos de instabilidade econômica. Mas apenas a expansão da produção e do emprego pode sustentar a ascensão social ao longo do tempo.
O combate à desigualdade social poderia enfatizar agora a calibragem da carga tributária e dos investimentos estatais. O objetivo deveria ser, de um lado, desonerar os mais pobres e, do outro, favorecer projetos que empreguem maciçamente e produzam bem-estar para as faixas de menor poder aquisitivo.

Fonte: Folha de São Paulo de 24/12/07

Meu comentário:
O assistencialismo iniciado por FHC que foi copiado e ampliado por Lula está a demonstrar o acerto da pregação do senador Eduardo Suplicy a favor da "renda mínima".

O próximo passo da sociedade é exigir e que a política de exportação de empregos para a China, via câmbio irrreal, seja trocada por uma política de políticas de emprego de brasileiros.
A recuperação de emprego ainda é muito tímida, precisa ganhar mais velocidade, pois sómente pelo emprego é que podemos resolver diversos problemas brasilieros sendo o principal a segurança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário